Cutucadas do Gilberto – Setembro de 2014

0

Cutucadas do Gilberto

SENADORES, PARA QUE TÊ-LOS?

Se formos analisar friamente, parece que os nossos ilustríssimos senadores estão sobrando na formação do governo. Eles são membros do legislativo, e tem características de representatividade junto ao governo federal. Só que essa representatividade já é perfeitamente preenchida pelos deputados federais. Os deputados somam mais de 500, e formam uma trupe com personalidades as mais diversas, indo do cômico ao ridículo, do pastelão ao irônico, e até alguns poucos honestos e empenhados em nossas causas, e portanto tem todos os tipos para nos representar. Já os senadores, na verdade, só representam mesmo mais uma gama de altos salários, mordomias, verbas de gabinetes, aposentadorias surreais, e outros custos absurdos para os cofres públicos, ou seja, para nossos bolsos tão explorados. Está passando da hora de nossos políticos tomarem vergonha na cara e derrubarem a lei que cria os senadores, e que não usem a manjada tática de tirar com uma mão e repor com a outra. Explico: È que, sempre que os políticos fazem algum ato no sentido de “moralizar a casa”, tirando-lhes algum beneficio, imediatamente tratam de criar e institucionalizar um outro que compense com juros e correções monetárias as perdas. E é sabido que em alguns países nem existe essa figura (senadores), de tão desnecessária que é.

GERALDO MAGELA PEREIRA – ESCRITOR LUZIANIENSE

O empresário Geraldo Magela,Pereira, tem dividido seu tempo útil com a arte da escrita. Com dois livros lançados, a saber, O Maconheiro e Curiosidades da Cidade de Luziânia,  Geraldo entra definitivamente no time dos candidatos a Academia de Letras do Planalto. No primeiro, conta ficticiamente uma historia que é com certeza, a realidade de muitas famílias. Um jovem que se envolve com o mundo das drogas e vive todos os desdobramentos possíveis para os que trilham tal caminho, indo de mero consumidor até a proximidade com os traficantes, culminando com a perda de amigos verdadeiros. No segundo, Geraldo fala das curiosidades percebidas na historia de Luziânia, narrando os fatos mais pitorescos que pode observar a partir dos livros de historiadores conterrâneos. Trata-se de uma coletânea das mais interessantes, e que mostra quão rica é a historia da cidade.

RUA DO ROSÁRIO E GASTRONOMIA

Faz parte dos projetos do prefeito Cristovão Tormim, transformar a Rua do Rosário, de Luziânia, em um centro etílico-gastronômico. Idéia das mais interessantes, se levarmos em conta a vocação inquestionável que a rua apresenta nesse sentido. Muitas das cidades antigas do Brasil e até do mundo, souberam aproveitar esse filão com muito sucesso, pois representa uma espécie de preservação sustentável para os casarões e ruas antigas. Estamos atrasados em pelo menos uns 20 anos com essa empreitada, mas ainda há tempo para que algo seja aproveitado. Esse projeto daria uma grande contribuição para a industria turística da cidade, e seria também uma salutar opção de lazer para os moradores.

SIM, NÓS ESTAMOS SOZINHOS.

Sempre que sofremos algum tipo de violência, tais como furtos, assaltos e similares, e vamos tomar as providencias cabíveis que é fazer o tal do B.O. (ou boletim de ocorrência) numa delegacia, somos surpreendidos com alguns questionamentos no mínimo curiosos. Digo com total conhecimento de causa, pois em menos de um ano, sofri cinco ocorrências criminosas em minha pequena empresa, e em todas procurei fazer o B.O. , e sempre fui indagado pelo escrivão atendente a respeito de  ter em meu boteco seguranças particulares, sistemas de alarmes e câmeras. E tenho noticia de pessoas conhecidas que passaram pela mesma sabatina. Ai me veio a duvida: O que querem dizer com essa sistemática? Perdoem a minha ignorância mas não consigo imaginar outra razão alem da percepção de que não vão fazer nada, que nenhuma providencia será tomada, que as investigações devidas não acontecerão e tudo acabara em pizzas, pois estamos abandonados a nossa própria sorte. E dia desses, como não tinha nada de interessante para fazer, resolvi ler algumas leis, entre elas a nossa tão poderosa Constituição Federal, e lá diz que o governo tem o direito de cobrar impostos, e que esses mesmos impostos tem que ser devolvidos para nos em forma de prestação de serviços, entre outros, a segurança. E me veio outra duvida: Se não temos segurança, segundo a própria lei, não precisaríamos pagar impostos. Admito estar entendendo tudo errado, mas essa foi a lógica que consegui assimilar.

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta